0
Teatro

“Eles não usam black-tie”, de Gianfrancesco Guarnieri: Uma boa peça para ler teatro

A Editora Civilização Brasileira está relançando as peças de teatro publicadas anteriormente e dentre elas está Eles não usam black-tie, de Gianfrancesco Guarnieri, relançado em 2021.

A galera que cresceu na década de 90 provavelmente tenha alguma lembrança desse autor, ele fazia o avô do Lucas Silva e Silva na série “Mundo da Lua” da TV Cultura (aliás, que saudade dessa série!). O Guarnieri é um dos autores mais importantes do teatro brasileiro, ele era envolvido com as questões políticas e sociais do país e foi um dos responsáveis pelo Teatro de Arena. A Editora Civilização Brasileira publica Eles não usam black-tie desde sua primeira edição que foi lançada em 1958, que teve sua estreia neste mesmo ano.

Além de ser uma das peças mais conhecidas da dramaturgia brasileira, o tema dela despertou a minha curiosidade porque ao longo da minha formação no curso de Letras acompanhei de perto algumas greves de trabalhadores e também do movimento estudantil. O que vemos nesse texto são as diferentes perspectivas sobre a greve proletária e o movimento dos trabalhadores. A edição vem acompanhada de textos críticos sobre a peça, comentando as encenações e um texto do próprio Guarnieri comentando a peça. Para quem trabalha com a escrita, o comentário dele é muito interessante porque expressa o processo criativo ao falar da espontaneidade da escrita e da autocrítica.

Embora não seja tão comum a leitura de textos teatrais por quem não é da área, como já mencionei aqui no blog outras vezes, eles trazem um desenvolvimento das ações naquela ideia de começo, meio e fim que serve a qualquer história, de uma forma muito nítida principalmente quando a peça está dividida em três atos.

Nessa peça de três atos temos Tião, um operário, morador do morro, que está prestes a se casar e ter um filho. No entanto, na época da festa de noivado estoura uma greve de trabalhadores na fábrica em que trabalha. Ele, com receio de perder dinheiro e não conseguir garantir o sustento da noiva e do filho que vai nascer, não adere à greve. Mas o pai dele, Otávio, trabalha na mesma fábrica e é um dos líderes do movimento grevista. O conflito da peça está nas questões éticas entre participar ou não da greve.

No primeiro ato temos a apresentação dos personagens, do espaço e os primeiros indícios dos conflitos da peça. A família de Tião mora em um barraco. Ele fica noivo de Maria e trabalha na mesma fábrica que o pai, onde os operários estão organizando uma greve por melhorias salariais. Neste ato já vemos que pai e filho não têm o mesmo posicionamento político: Tião parece indeciso em relação à greve enquanto o pai é assertivo e defende o movimento grevista. Já no segundo ato conhecemos um pouco mais sobre o contexto social da peça, o tratamento que o patrão dá aos trabalhadores e as perspectivas de Tião em relação ao casamento; a cena da festa de noivado, momento em que Maria já está grávida e Tião decide furar a greve. Já no terceiro ato temos o desenvolvimento da greve da fábrica e Otávio é preso e depois liberado. A personagem Maria também discorda da postura de Tião e ele vai embora de casa porque passa a ser rejeitado na comunidade por ter furado a greve.

O teatro, bem como as artes, não está isolado da sociedade. Em Eles não usam black-tie tem-se expressa a realidade do fim da década de 50. Ainda que o foco da peça seja a relação entre pai e filho e a divergência de opinião a respeito da greve, quando observamos o tratamento que eles oferecem tanto à Romana (companheira de Otávio e de Tião) e à Maria (noiva de Tião) é possível perceber que eles são um tanto parecidos na forma de se relacionar com as mulheres e entenderem seus papéis sociais. Apesar de ter uma postura marcadamente de esquerda, Otávio não colabora muito nas tarefas domésticas, Romana parece um tanto sobrecarregada cuidando de tudo em casa, e em muitos momentos Otávio manda que ela faça as coisas. Na década de 50 a gente achava isso normal, que bom que o Brasil avançou um pouco e hoje podemos reconhecer a estranheza que uma cena como essa nos causa em 2021. Poderíamos chamar esse personagem também de “esquerdomacho”. Eles não usam black-tie é uma peça que possibilita vários debates, inclusive esse, sobre as formas de opressão existentes em nossa sociedade.

No segundo ato temos uma cena bem interessante: Uma discussão entre Tião e Maria em que ele enfatiza que não quer que ela trabalhe depois de casar, e aí o irmão dele, Chiquinho, responde que é um “pensamento burguês”. Mas então, a família de Tião com o pai politizado e a mãe que está em casa tentando dar conta de todas as tarefas domésticas também não estão vivendo sob um modo burguês? O segundo ato termina com essa cena em que Tião diz à Maria “Fica quietinha sem pensar”.

Para além de ser um clássico da dramaturgia brasileira, gostei de ler Eles não usam black-tie porque mostra as contradições e as questões sociais que continuam presentes em nossa época, sobretudo porque o nosso país parece retroceder mais a cada dia. Se você nunca leu uma peça de teatro, Eles não usam black-tie é ótima para começar e se você já tem o hábito de ler peças de teatro essa vai te fazer lembrar como esse tipo de leitura pode ser prazeroso!


Você gosta do conteúdo criado pelo Impressões de Maria aqui no blog, no YoutubeInstagram e demais redes? Gostaria de apoiar este trabalho? Você pode fazer suas compras da Amazon usando o link do blog sem pagar nada a mais por isso, ou apoiar o projeto Leituras Decoloniais no Catarse. Obrigada!

Nenhum comentário

    Deixe um comentário

    Narrativas com fluxo de consciência Livros para quem gostou de “Renaissance”, de Beyoncé Conheça a escritora Natasha Brown