Geral

Resistência- Fernanda Rodrigues


Resistência
(por Fernanda Rodrigues)
Homens dizendo que somos guerreiras,
Que a nossa força vem da essência,
Mas quando gritamos a todo pulmão
O que somos, queremos, ambicionamos,
Passamos a ser traduzidas como histéricas.
Homens comprando flores, roupas, diamantes em uma data fixa do ano,
Enquanto nos outros 364 dias
Passam o tempo todo controlando:
O que você está comendo?
(Não pode engordar!)
O que você está sentindo?
(Roupa curta, decotada, é de puta!)
Com quem você está saindo?
(Mais de um é vadia!)
Homens nos felicitam e,
ao mesmo tempo,
nos associam ao ruim em tudo, todo tempo:
No trânsito: só podia ser mulher;
Toda nervosa? Tá de TPM!
É romântico? Coisa de mulherzinha!
Sentiu medo? Deixa de frescura!
Se sentiu fraco? Seja homem!
Mulher não pode ser amiga de mulher:
disso não sai nada de bom, eles dizem.
Muita mulher junta é confusão, eles dizem.
Não vejo amizade,
a falsidade sempre impera, eles dizem.
Repetem até a exaustão,
até que muitas de nós acreditemos que a nossa sobrevivência depende apenas deles, única e exclusivamente deles.
Eles nos violam psicologicamente,
Eles usam a força bruta.
A violência física se converte nos tapas,
Nas facadas,
nos tiros,
Se convertem nas mãos sufocando nossas bocas e pescoços,
no pau forçado por entre as nossas pernas.
Eles nos violam.
Eles nos matam.
Nos matam paulatinamente.
Mas nos matam.
Nos matam de forma abrupta.
Mas
nos
matam.
Tento buscar um pouco de oxigênio.
Não encho por completo os meus pulmões,
Ainda assim
respiro.
O ar é rarefeito,
contudo respiro.
Respiro.
Resisto.
Resistimos.
Juntas.
Nos pequenos e grandes gestos
resistimos.
Quando dizemos um “sinto muito”,
resistimos.
Quando vivemos a carga mental e, mesmo assim, damos o nosso melhor,
resistimos.
Quando somos românticas,
quando paramos de romantizar,
resistimos.
Quando unimos forças,
resistimos.
Quando criamos, fazemos arte,
resistimos.
Resistimos quando quebramos padrões.
Quando assumimos a liderança, resistimos.
Sendo donas de empresas ou casa, resistimos.
Quando temos filhos
e quando decidimos não tê-los,
resistimos.
Héteros, gays, cis ou trans.
Resistimos.
Resistimos até quando aceitamos os parabéns, as flores e os presentes.
Quando falamos das nossas dores,
Quando celebramos as nossas conquistas,
Quando ensinamos os homens,
resistimos.
Resistimos e resistiremos.
Sempre.
_____________________________________________________
Sobre Fernanda Rodrigues
Uma paulistana que ama gatos e café. Formada em Letras, pós-graduada no curso Formação de Escritores e Especialistas em Produção de Textos Literários e pós-graduanda em Docência em Literatura e Humanidades, publica no Algumas Observações desde 2006. É moderadora do Projeto Escrita Criativa e autora do A Intermitência das Coisas: sobre o que há entre o vazio e o caos (Editora Penalux, 2019).

Você poderá gostar

Nenhum comentário

    Deixe um comentário

    Autores para prestigiar na Bienal do Livro de São Paulo 2022 Lançamentos do mês para ficar de olho Tudo sobre o álbum “Renaissance”, de Beyoncé Os romances de Nicola Yoon Um livro que vai te encantar: “Instruções para dançar”, de Nicola Yoon “Sobrevidas”, do ganhador do Nobel Abdulrazak Gurnah Motivos para ler “O brilho do amanhã”, de Ishmael Beah Por que você deveria conhecer Langston Hughes? 3 obras de Neal Shusterman Livros de Talia Hibbert