0
Exposição Negritude Raça

Passeio cultural em São Paulo – Exposição “Abdias Nascimento: um artista panamefricano” no MASP

Abdias Nascimento (Franca, SP, 1914 – Rio de Janeiro, 2011), fundamental para a política e cultura brasileira, foi deputado federal e senador pelo Rio de Janeiro, além de ativista, escritor, dramaturgo, ator, diretor de teatro, poeta, jornalista e professor universitário. A exposição Abdias Nascimento: um artista panamefricano, que está disponível para visitação até o dia 5 de junho no MASP, mostra o trabalho dele nas artes plásticas, tornando evidente que além de tudo isso, Abdias Nascimento foi um pintor que produziu muito. A mostra reúne 61 pinturas realizadas ao longo de três décadas, de 1968 até 1998, seu período mais frutífero. Hoje comento aqui no blog as minhas impressões sobre o que podemos ver nesta exposição.

O neologismo no subtítulo da exposição, “panamefricano” é uma referência ao repertório de personagens, ideias, cores e formas do pan-africanismo presente nas pinturas e à expressão “ladino-amefricano”, criada pela antropóloga Lélia Gonzalez (1935-1994) remetendo-se às culturas negras da América Latina. A exposição apresenta um panorama amplo e representativo da obra de Abdias, dividindo-se em sete núcleos com base em noções formuladas por ele em seus quadros e textos: “Teogonia afro-brasileira”, “Quilombismo”, “Deuses vivos”, “Germinal”, “Sankofa”, “Axé da esperança” e “Axé de sangue”. 

Na primeira parte da exposição, “Teogonia Afro-Brasileira”, entendemos que Teogonia é o estudo dos ritos e mitos politeístas, conceito utilizado por Abdias, para expressar artisticamente o culto aos Orixás em suas pinturas, emergindo nas figuras, temas e cores. A relação com os Orixás aparece em todos os núcleos da exposição e pode ser uma chave de fruição das obras.

Quarteto ritual n. 6

Na segunda parte, “Quilombismo” é um conceito associado ao pan-africanismo, fundamentado na experiência de resistência das pessoas escravizadas nos territórios afro-atlânticos. Abdias relaciona este conceito ao tridente de Exu, orixá associado à comunicação e também às ferramentas de Ogum, orixá da inovação tecnológica da guerra. É neste núcleo que está a obra Okê Oxóssi, ponto de partida dessa mostra, para se repensar o significado de ser cidadão em um país racialmente tão desigual. A pintura mistura a imagem da bandeira do Brasil com a saudação ao orixá Oxóssi.

Okê Oxóssi

O núcleo “Deuses vivos” é uma referência ao livro Orixás: os deuses vivos da África, de 1995 e traz as obras em que o artista representa os orixás com feições humanas. Nesse núcleo têm três quadros de Oxumaré, orixá associado ao ciclo da vida.

Já o núcleo “Germinal” reúne os quadros que Abdias pintou quando começou a produzir. Em 1969 quando fez sua primeira exposição, ele pintou mais de 50 telas. Nesta fase já é possível ver os alicerces de sua produção nas artes plásticas mesclando forma livre com geometria, abstração e figuração, elementos teogônicos e cores presentes na poética de seus quadros.

A única pintura de Abdias Nascimento que eu lembrava de já ter visto, era a Okê Oxóssi. Ver as pinturas dele reunidas em série é impactante porque temos a dimensão de como Abdias Nascimento era um artista plural. Além das pinturas também há a gravação de um discurso que ele fez no senado quando exercia cargo político, e arquivos do trabalho dele com o Teatro Experimental do Negro (TEN), uma experiência radical na dramaturgia brasileira.

O artista pintou sua primeira tela no Rio de Janeiro, em 1968, quando foi decretado o Ato Institucional nº 5, no auge da ditadura civil-militar brasileira. No campo das artes visuais, em 1955, ele coorganizou o concurso Cristo de cor, para a representação em pintura de um Jesus negro, além de criar o Museu de Arte Negra (MAN), na década de 1950. 

Oxum em extâse

Atualmente o MASP, que é um cartão postal da cidade de São Paulo e um dos museus mais importantes do hemisfério sul, pode ser considerado o museu mais caro do Brasil. Mas como o trabalho artístico do Abdias Nascimento merece uma atenção maior aqui no Brasil, me parece uma ótima justificativa para visitar o MASP até o mês de junho.

Os ingressos custam R$50 a inteira e R$25 a meia-entrada. Às terças-feiras e na primeira quarta-feira de cada mês a entrada é gratuita. Às terças, o MASP está aberto das 10h até 20h (entrada até 19h) e de quarta a domingo das 10h-18h (entrada até 17h). Eu fui em uma quarta-feira e não estava tão cheio como eu esperava, e além da exposição do Abdias do Nascimento, têm outras exposições no MASP acontecendo simultaneamente, então acho que vale a pena se organizar para aproveitar o passeio e visitar tudo no mesmo dia. A exposição “Acervo em transformação” tem algumas obras que pensam a produção de artistas negres e reflete sobre o racismo nas artes. #Ficadica 


Participando do Clube Impressões: um espaço voltado para a leitura e discussão de obras ficcionais que levam a refletir sobre assuntos como raça, gênero e classe, e que promovam pensamento crítico sobre a realidade de grupos minorizados. Clique aqui para participar.

Clube Leituras Decoloniais: um projeto coletivo negro que conta com a curadoria de quatro mulheres negras que produzem conteúdo na internet sobre literatura decolonial. Clique aqui para participar.

Você poderá gostar

Nenhum comentário

    Deixe um comentário

    Narrativas com fluxo de consciência Livros para quem gostou de “Renaissance”, de Beyoncé Conheça a escritora Natasha Brown