0
Não-ficção Raça

“Dispositivo de racialidade”: o trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Capa do livro de Sueli carneiro com uam foto da autora do lado em um fundo vermelho

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra, por exemplo —, é uma intelectual brasileira extremamente importante. Seu trabalho, vasto e que soma décadas, já alcançou muita gente, ora influenciando, ora mudando suas vidas. Não há no país pessoa séria que realmente se preocupe com as questões raciais que não a tenha como referência ou, ao menos, a respeite. Dispositivo de racialidade (2023, Zahar) é a tese de doutoramento de Carneiro defendida na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo em 2005 finalmente transformada em livro — seu título original, A construção do outro como não ser como fundamento do ser, agora é subtítulo da obra, trabalho de filosofia política incontornável que nos mostra por que a autora é pessoa imprescindível para entendermos o nosso país e a nossa história. 

Em Dispositivo de racialidade, Sueli Carneiro evoca Michel Foucault para elaborar o seu conceito original, o mesmo que dá título ao livro. Manipulando as ideias de biopolítica e dispositivo propostas pelo filósofo francês, alinhando-as à noção de contrato racial de Charles Mills, Carneiro nos presenteia com uma ótima ferramenta teórica para que possamos analisar as dinâmicas raciais, sobretudo a brasileira. Principalmente por ela ter sido pensada tendo o nosso contexto em vista. Até porque a autora parte de Foucault e Mills, mas expande suas reflexões, ao mesmo tempo que dialoga com outras autoras e autores — inclusive, brasileiros. 

Segundo Sueli Carneiro, a sua intenção é complementar a visão de Foucault, que ao ter a sexualidade como norte possível para a sua concepção de dispositivo — que para o autor são “estratégias de relações de força, sustentando tipos de saberes e sendo por eles sustentado” —, lhe parece permitir tal análise partindo da racialidade, pois, segundo argumenta, “o dispositivo de racialidade também produz uma dualidade entre positivo e negativo, tendo na cor da pele o fator de identificação do normal, e a brancura será sua representação. Constitui-se assim uma ontologia do ser e uma ontologia da diferença”. 

Em outras palavras, ao se pôr a branquitude como “sinônimo de humanidade”, os não brancos são percebidos como seres inferiores, como em uma hierarquia, com aqueles sendo vistos como o Ser e estes como os Outros. E, como afirma a autora em certa altura, “o racismo cumpre o papel de fragmentar o campo biológico, do qual o poder tomou conta, para dividi-lo conforme ‘raças’ e assim introduzir um corte entre quem deve viver e quem deve morrer”. Em suma, uma questão de poder, na qual a negritude se encontra sob o signo da morte.

Além da elaboração teórica original e substantiva, Dispositivo de racialidade também traz um desdobramento mais prático por meio da investigação que a autora faz com as entrevistas que compõem o corpo do seu trabalho. Nelas, Carneiro convoca nomes importantes da militância negra, referências em suas áreas de atuação, mas também de forte presença política, com o intuito de, por meio de suas histórias de vida, desnudar tanto as práticas racistas a que foram expostos quanto os possíveis modos de resisti-las que encontraram. Para tanto, Carneiro traz para a conversa Edson Cardoso, Sônia Maria Pereira Nascimento, Fátima Oliveira e Arnaldo Xavier (este numa homenagem póstuma) em um segmento da obra que ganha ares de prosa narrativa e conferem a ela outro fôlego, enriquecendo-a. Nessa parte do livro, intitulada “Resistências”, afinal, “a todo poder se opõe uma resistência”, somos expostos às semelhanças e diferenças entre as experiências dos entrevistados, nos permitindo identificar tanto as suas estratégias de sobrevivência quanto as autonomias alcançadas. É muito importante constatarmos como a educação e o cuidado de si — que na concepção de Carneiro “se realiza no cuidado do outro, na busca coletiva por emancipação” — são ferramentas imprescindíveis para enfrentar o racismo e as dores que ele traz. 

Por fim, achamos importante frisar que esta breve resenha não dá conta da magnitude de Dispositivo de racialidade. A colaboração do trabalho de Sueli Carneiro é imensurável. Não à toa, sua tese sempre fora referenciada por diversos pesquisadores. A demora para a sua publicação em livro é injustificável, mas a sua chegada deve ser celebrada. É um horizonte que se abre para que novas leituras sociais sejam feitas. Sobretudo, quando localizamos os nossos problemas. O racismo e seus tentáculos são uma violência que transpassa as bordas. Porém, ao nos voltarmos para ele a partir das especificidades que cada contexto ou realidade exige, isso nos ajuda a compreendê-lo e a encontrarmos novas estratégias para enfrentá-lo. E esse é, sem dúvida, o maior mérito do trabalho de Carneiro. Isso faz com que Dispositivo de racialidade também seja um ato de resistência. Que esse movimento jamais deixe de ser perene.

Você poderá gostar

Nenhum comentário

    Deixe um comentário

    Romances que abordam o tema da gentrificação Livros de estudos literários negros Livros sobre mães