0
Contos Literatura estrangeira Negritude

“Blackout: O amor também brilha no escuro”: histórias para encantar seu coração

Blackout: O amor também brilha no escuro é um livro composto por seis contos, cada um escrito por uma autora negra:  Dhonielle Clayton, Tiffany D. Jackson, Nic Stone, Angie Thomas, Ashley Woodfolk e Nicola Yoon. O livro inova ao reunir autoras de diferentes gêneros para entregar contos distintos, mas que têm em comum a exaltação do amor e uma representação positiva e diversa de juventude negra, com a cidade de Nova Iorque como cenário, durante um apagão.

O primeiro conto é de Tiffany D. Jackson, divide-se em cinco partes que são intercaladas ao longo livro. Conta a história de dois jovens ex-namorados que se reencontram em uma entrevista de emprego em que estavam concorrendo para a mesma vaga sem saber. Justo no momento em que iam ter a resposta da aprovação, aconteceu o apagão e os dois se veem sem alternativas a não ser permanecerem juntos até chegarem à uma festa que fechará o quarteirão.

O segundo conto foi escrito por Nic Stone e conta a história de dois garotos bissexuais, um deles já bem resolvido com sua sexualidade e desejos, enquanto o outro, ainda tem muitas dúvidas e inseguranças. O leitor acompanha o desenvolvimento da história dos dois e principalmente sua aproximação decorrente do apagão quando os dois estão no metrô da cidade e um deles desmaia.

No terceiro, Ashley Woodfolk constrói um cenário no qual uma jovem está visitando o avó em uma casa de repouso no momento do apagão e lá ela conhece outra jovem que costuma fazer visitas acompanhada de seu pitbull para alegrar as pessoas. As duas são incentivadas a passarem um tempo juntas quando o avó da primeira perde uma foto com forte significado emocional e elas se voluntariam para procurar a foto. Dessa forma, este conto entrega uma história de amor entre duas garotas, mas também expõe seus relacionamentos passados, que inclui uma pessoa não binária.

Dhonielle Clayton escreve no quarto conto a história de um casal de amigos que estão na biblioteca pública da cidade durante o apagão à procura do melhor livro. A garota está tentando criar coragem para revelar que é apaixonada pelo melhor amigo, mas tem medo da rejeição.

O penúltimo conto é de Angie Thomas e trata-se de uma história que envolve um triângulo amoroso durante um passeio de escola, em que a turma está conhecendo a cidade de Nova Iorque durante o apagão. Uma jovem se vê dividida entre o namorado e um colega de classe, e reflete sobre qual será a melhor decisão.

O último conto é de Nicola Yoon e mostra como o amor pode estar nos lugares mais inesperados, como em uma corrida por aplicativo. Neste conto uma passageira e um motorista estão à caminho de uma festa, quando a conversa filosófica que acontece entre os dois faz a garota repensar seu objetiva de ir encontrar o ex namorado.

Blackout: O amor também brilha no escuro mostra que é possível que jovens negros não estejam presos à narrativa única de violência e racismo, assim como mostra que histórias de amor muito bonitas, fofas e esperançosas também são uma realidade para eles. Algo muito positivo do livro é sua representatividade e diversidade, pois além de todos os personagens principais serem negros, os relacionamentos não estão presos apenas à lógica heterossexual, de modo que há relacionamentos com pessoas não binárias, há relacionamentos entre meninas e entre meninos. O livro faz jus àquela máxima de que todas as formas de amor são válidas, inclusive e principalmente o amor próprio.

Para além das ótimas histórias, o livro também tem um excelente projeto gráfico em que a capa brilha no escuro, proporcionando uma experiência única para quem lê.

Assista ao vídeo para saber mais

Você poderá gostar

Nenhum comentário

    Deixe um comentário

    Livros de estudos literários negros Livros sobre mães “Salvar o fogo”, novo romance de Itamar Vieira Junior